Dissertações Turma 2011/2013

Título: Estudo do perfil e das percepções dos trabalhadores de vigilância em saúde sobre a formação e o desenvolvimento profissional
Autor: Aline Graziele Fernandes
Orientador: Prof. Ms. Milton Cosme Ribeiro
Co-orientador: Prof. Drª. Mirtes Ribeiro
Aprovado em: 2013
Resumo: Este estudo tem por objetivo conhecer o perfil e as percepções dos trabalhadores de vigilância em saúde acerca da formação e do desenvolvimento profissional. Trata-se de um estudo exploratório-descritivo com abordagem quali-quantitativa e foi realizado com profissionais do departamento de vigilância em saúde de um município do Centro-Leste de Minas Gerais. A coleta de dados ocorreu nos meses de abril e maio de 2013. Consistiu em duas etapas, sendo: 1) Aplicação de um questionário estruturado com dados sócios demográficos, de atuação e formação/desenvolvimento profissional; 2) Entrevistas semiestruturadas, utilizando um roteiro com perguntas norteadoras. Após a realização das entrevistas foi utilizada a técnica da análise de conteúdo proposta por Bardin (2011) para a análise dos resultados. Na primeira etapa, a amostra foi composta de 55 trabalhadores e na segunda de 20. Dentre outros, verificaram-se os seguintes resultados: 58,2% dos entrevistados têm como cargo agente de combate a endemias; 61,8% são contratados; 69,1% ganham até dois salários mínimos; 41,8% possuem escolaridade de nível médio; 50% dos profissionais de nível superior são graduados na área de ciências da saúde; 41,8% nunca participaram de cursos de capacitação; 78,2% dos profissionais entrevistados disseram ser capacitados para as ações que desenvolvem; 58,2% dos profissionais atribuíram o conceito “bom” para o seu conhecimento em relação à vigilância em saúde. Obtiveram-se as seguintes categorias empíricas: entendimento de vigilância em saúde – prevenção de riscos e doenças para a saúde da população; importância das ações educacionais – conhecimento adquirido por meio da capacitação e atualização dos profissionais para a melhoria do trabalho na área de atuação; dificuldades – desconhecimento da gestão quanto à vigilância em saúde e inexistência de recursos financeiros; facilidades – interesse do servidor em se capacitar; levantamento dos temas: atuação dos agentes de endemias, educação em saúde para a população, imunização, vigilância sanitária nos estabelecimentos e curso básico de vigilância em saúde. Dentre outros achados, foi possível identificar a necessidade de implementação de ações educacionais, voltadas para a formação e o desenvolvimento profissional e relacionadas à vigilância em saúde para os trabalhadores da área, com o intuito de propiciar a transformação dos processos de trabalho para a efetivação da vigilância em saúde.
Palavras-Chave: Vigilância em saúde, Profissionais, Formação, Desenvolvimento profissional.
Doc. Download: FERNANDES, Aline Graziele. Estudo do perfil e das percepções dos trabalhadores de vigilância em saúde sobre a formação e o desenvolvimento profissional. 2013. 102 f. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Ensino em Saúde) – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina: 2013.
Título: A formação profissional em enfermagem e o programa Pró-Saúde I: contribuições sob a ótica de discentes docentes e egressos
Autor: Antonio Moacir de Jesus Lima
Orientador: Prof. Dr. Wellington de Oliveira
Aprovado em: 12/06/2013
Resumo: O estudo buscou compreender as contribuições do Pró-Saúde I para a formação profissional em Enfermagem na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), sob a ótica de discentes, docentes e egressos. Com abordagem qualitativa e recurso metodológico da História Oral para avaliação das narrativas, complementado por uma análise documental para confirmação dos fatos. Entrevistou-se dezessete (17) participantes, sendo: sete (07) discentes, cinco (05) docentes e cinco (05) egressos. Utilizou-se a pergunta norteadora: Comente como o Pró-Saúde I contribuiu ou contribui para a formação profissional em enfermagem. Essa sofreu vários desdobramentos ao longo das entrevistas de acordo com o conhecimento do colaborador, trouxe maior clareza à visão de cada entrevistado. Realizou-se a análise dos dados com base na história oral após a transcriação das narrativas. Organizou-se as informações coletadas nas categorias temáticas: Atributos da escrita e confecção do projeto; Dificuldades para a definição e conceituação do pró-saúde I; Pouca divulgação da Estratégia de Reorientação principalmente entre os alunos; Como se deu o primeiro contato do discente com o pró-saúde I; Como é a interação do programa com as disciplinas curriculares da graduação em enfermagem; Como se manifestam as formas de contribuição do pró-saúde I para suporte da formação profissional; A diferença do perfil do aluno inserido com o aluno não inserido na estratégia; A Estruturação física proporcionada ao curso de graduação; Apoio para estruturação física de UBS; Estímulo para confecção do primeiro Projeto Político Pedagógico do curso de graduação em enfermagem; Dificuldade dos discentes para caracterizarem as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) e a Reorientação Nacional da Formação Profissional em Saúde; Formas de contribuições para a formação dos docentes e Contribuições para formação dos profissionais dos serviços de saúde em Atenção Básica à Saúde. Na compreensão das estruturas conceituais, este estudo desvela concepções e significados atribuídos à formação profissional considerando a trajetória pessoal de cada colaborador. E oferece subsídios para uma discussão ampla sobre a formação profissional em enfermagem a partir do Pró-Saúde I, visando estimular os cursos de graduação a realizarem uma releitura do projeto pedagógico no sentido de efetivarem as adequações necessárias para que a formação seja no sentido de produzir profissionais com perfil indicado pelas DCN.
Palavras-Chave: Enfermagem, Formação, Saúde.
Doc. Download: LIMA, Antonio Moacir de Jesus. A formação profissional em enfermagem e o programa Pró-Saúde I: contribuições sob a ótica de discentes docentes e egressos. 2013. 148 f. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Ensino em Saúde) – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina: 2013.
Título: A percepção do enfermeiro da estratégia saúde da família sobre a formação do estagiário de enfermagem: integração ensino e serviço, Diamantina – M.G
Autor: Heloisa Helena Barroso Gouvêa
Orientador: Prof. Dr. Cláudio Eduardo Rodrigues
Aprovado em: 31/10/2013
Resumo: O presente estudo teve como objetivo geral compreender a percepção que o enfermeiro da Estratégia Saúde da Família possui sobre a integração ensino e serviço frente à colaboração para o estágio de enfermagem no município de Diamantina, MG. Os objetivos específicos deste trabalho foram de identificar as dificuldades e facilidades do enfermeiro encontradas na colaboração para a formação do estagiário de enfermagem em relação ao seu trabalho e conhecer os aspectos que envolvem a participação do enfermeiro na integração ensino e serviço no que diz respeito à colaboração para a formação do estagiário de enfermagem. O estudo foi realizado em seis equipes da estratégia Saúde da Família, no município de Diamantina, MG. Os sujeitos da pesquisa foram constituídos de seis enfermeiras cadastradas nessas equipes. O estudo, de abordagem qualitativa, foi aprovado no Comitê de Ética em Pesquisa da UFVJM, com o parecer número 228.191. A coleta de dados adotada foi a entrevista individual, com roteiro semiestruturado, aplicada pela pesquisadora mediante assinatura do entrevistado do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Para análise dos dados obtidos, os discursos descridos pelos enfermeiros foram organizados na íntegra. As respostas dos profissionais para cada questão foram tabuladas, pelos pesquisadores, em quadros temáticos. A partir da tabulação de cada elemento, aplicou-se o método indutivo, que é responsável pela generalização, isto é, parte-se de algo particular para uma questão mais ampla, ou seja, geral. Essa análise revelou sobre a importância em melhorar a interação entre ensino e serviço. Os sujeitos do estudo destacaram a falta de diálogo existente entre docente da instituição e supervisor de estágio para que aconteça um planejamento mais efetivo da colaboração de estágio, bem como sua presença mais efetiva no campo de estágio. Percebe-se também que para os enfermeiros existe a falta de planejamento por parte dos gestores municipais e instituições de ensino em relação à inserção do aluno no campo de estágio, o que vem a dificultar o processo de trabalho do enfermeiro na ESF. No geral, a percepção que o enfermeiro possui sobre a integração ensino e serviço é positiva, principalmente no que tange aos aspectos facilitadores do desenvolvimento das atividades. Acredita-se que o estudo nos permite refletir sobre a importância da integração ensino e serviço para qualidade da supervisão de estágio realizado pelo enfermeiro da Estratégia Saúde da Família.
Palavras-Chave: Integração, Ensino, Enfermeiros, Estratégia Saúde da Família.
Doc. Download: GOUVÊA, Heloisa Helena Barroso. A percepção do enfermeiro da estratégia saúde da família sobre a formação do estagiário de enfermagem: integração ensino e serviço, Diamantina – M.G. 2013. 60 f. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Ensino em Saúde) – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina: 2013.
Título: O professor já desistiu de trabalhar? Discutindo aspectos da síndrome de Burnout em Diamantina
Autor: Lilia Aparecida Campos Ribeiro Barbosa
Orientador: Prof. Dr. Ademilson de Sousa Soares
Co-orientador: Profª. Drª. Liliane da Consolação Campos Ribeiro
Aprovado em: 2013
Resumo: A síndrome de burnout (SB) é um transtorno adaptativo crônico que acomete trabalhadores e caracteriza-se por três dimensões: exaustão emocional (EE), despersonalização(DE) e baixa realização pessoal (bRP). No professor em Burnout são comuns atitudes negativas e de distanciamento para com os alunos e a autodesvalorização profissional, fazendo com que se distancie do seu papel docente e muitas vezes desista de trabalhar. Essa síndrome tem afetado inúmeros professores e, com isso, tivemos como questão norteadora deste trabalho: O professor já desistiu de trabalhar? Discutindo aspectos da síndrome de Burnout em Diamantina. Primeiramente foi realizado uma busca de referencial teórico para que embasássemos o trabalho, sendo esse discutido no primeiro e segundo capítulos. O terceiro capítulo desta dissertação tem como título: Burnout entre os professores de Diamantina, em que avaliou-se a prevalência da síndrome de Burnout nos professores dos últimos anos do ensino fundamental (sexto ao nono ano) das escolas estatuais do município de Diamantina e sua relação com as variáveis sociodemográficas-laborais. Foi realizado por meio de um estudo descritivo, analítico transversal com a aplicação do Maslach Burnout Invenctory (MBI), e um questionário sociodemográfico laboral elaborado pelos pesquisadores, ambos OS questionários autoaplicáveis. Foram realizadas análises descritiva, univariada e de regressão logística, adotando-se nível de significância de p<0,05. Os resultados evidenciaram que 93% dos professores estão acometidos pela síndrome em Diamantina. Ao analisarmos cada dimensão separadamente podemos constatar que, 64,8%(57) dos professores apresentaram alto/moderado nível de exaustão emocional, 80,7(71) alto/moderado baixa realização pessoal, 39,8(35) alta/moderada despersonalização. Houve associação entre exaustão emocional número de filhos, estado civil, se já se afastou do trabalho por motivo de doença, se acredita que a profissão o está estressando, se sente a profissão menos interessante. Quanto à dimensão despersonalização, houve associação entre a carga horária de ensino e o tempo de preparo de aula. Já em relação a terceira dimensão, baixa realização pessoal, houve associação com a variável preparo de aula. Por meio da análise multivariada, pode-se afirmar que aqueles que não participam de culto possuem 4,03 vezes maior chance de se despersonalizar em relação aos que não participam; enquanto que aqueles que se dedicam ao preparo das aulas, mais de 10h têm 93% de chance de não se inserirem nessa dimensão em relação àqueles que se dedicam menos de dez horas. Para a baixa realização pessoal, constatou-se que quem se dedica mais que dez horas ao preparo de aulas possui 76% menos chance de não se realizarem pessoalmente em relação aqueles que se dedicam menos de dez horas; Para a exaustão emocional, constatou-se que aqueles que tem dois ou mais filhos possuem 72% menos chance de não se exaurirem, os que já se afastaram do serviço possuem 3,57 vezes maiores as chances de sofrerem exaustão que os que não se afastaram e, por último, o sentimento que a profissão está menos interessante, possuem 3,04 vezes maiores as chances de se exaurirem emocionalmente. Os resultados indicam a importância do entendimento e o reconhecimento dessa doença ocupacional na cidade de Diamantina bem como os seus fatores associados, para a inclusão dos professores nas medidas de políticas públicas, atividades de ensino em saúde voltadas ao bem-estar da categoria.
Palavras-Chave: Síndrome de Burnout. Professores. Saúde ocupacional. Saúde pública.
Doc. Download: BARBOSA, Lilia Aparecida Campos Ribeiro. O professor já desistiu de trabalhar? Discutindo aspectos da síndrome de Burnout em Diamantina. 2013. 79 f. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Ensino em Saúde) – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina: 2013.
Título: Estudo de prevalência dos fatores de risco da doença cardiovascular em estudantes, visando a implementação de ações educativas e preventivas
Autor: Marcela Danielle Pimenta de Barros
Orientador: João Luiz de Miranda
Aprovado em: 2013
Resumo:
Palavras-Chave:
Doc. Download: BARROS, Marcela Danielle Pimenta de. Estudo de prevalência dos fatores de risco da doença cardiovascular em estudantes, visando a implementação de ações educativas e preventivas. 2013.  f. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Ensino em Saúde) – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina: 2013.
Título: Análise das programações anuais de saúde de municípios de uma região de saúde do Norte de Minas
Autor: Marcia Azevedo Correa
Orientador: Prof. Dr. Flávio César F. Vieira
Co-orientador: Prof. Dr. Wellington Oliveira
Aprovado em: 18/11/2013
Resumo: Este estudo tem por objetivo analisar as Programações Anuais de Saúde (PAS) dos municípios de uma região de saúde do Norte de Minas Gerais visando à proposição de uma capacitação aos gestores e técnicos de saúde utilizando como base o manual criado pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. Trata-se de um estudo descritivo e retrospectivo de análise das programações anuais de saúde do quadriênio e dos planos municipais de saúde referentes à vigência 2010-2013 dos municípios da região de saúde Montes Claros/Bocaiúva com uso da pesquisa documental. A pesquisa documental foi desenvolvida em três etapas: 1) Pesquisa Bibliográfica e levantamento de fontes primárias. 2) Catalogação e análise das fontes primárias. 3) Elaboração da proposição de capacitação. Na primeira etapa foi realizada uma pesquisa bibliográfica, utilizando-se referências de livros e manuais do ministério da saúde; artigos científicos, dissertações e teses provenientes de bancos de dados virtuais, tais como Lilacs, Scielo, Periódicos Capes, entre outros. Na segunda fase seguiu-se um roteiro de análise e elaborou-se um instrumento contendo sete critérios essenciais preconizados pelo PlanejaSUS com o intuito de verificar se as PAS foram elaboradas conforme orientações do Sistema de Planejamento do SUS e em consonância com seus respectivos Planos Municipais de Saúde (2010-2013). Verificou-se que a maioria dos municípios analisados neste estudo não apresentou nem 50% de atendimento aos critérios básicos recomendados. Sendo que os resultados que mais impactaram negativamente nessa análise foram ausência completa da definição de indicadores, estabelecimento parcial das metas e ausência ou presença parcial da definição de recursos orçamentários para o desenvolvimento das ações. Os resultados dessa pesquisa reforçam os pressupostos de que apesar dos avanços encontrados no arcabouço legal desde a criação do SUS no que diz respeito à consolidação do planejamento das ações, principalmente sobre a PAS, os municípios ainda encontram dificuldades para incorporar as práticas estabelecidas de forma efetiva. Espera-se com este trabalho alcançar melhores resultados na elaboração das próximas PAS com a instituição de capacitação estruturada proposta neste estudo.
Palavras-Chave: Planejamento em saúde; Instrumentos de gestão; Programação anual de saúde.
Doc. Download: CORREA, Marcia Azevedo. Análise das programações anuais de saúde de municípios de uma região de saúde do Norte de Minas. 2013. 64 f. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Ensino em Saúde) – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina: 2013.
Título: Concepções dos estagiários do curso de fisioterapia sobre o princípio da integralidade na saúde
Autor: Michelle Cristina Sales Almeida Barbosa
Orientador: Profª. Drª. Maria Luiza Rodrigues da Costa Neves.
Aprovado em: 2013
Resumo: Esta pesquisa apresenta um estudo qualitativo a respeito da compreensão e aplicação do conceito de integralidade pelos discentes do último ano do curso de fisioterapia de uma instituição de ensino superior federal.  O objetivo principal desse estudo foi conhecer a visão dos acadêmicos sobre o conceito de integralidade. Utilizamos a aplicação de questionário semi-estruturado, antes e depois dos discentes cursarem o estágio curricular em saúde pública.  Os dados obtidos foram analisados pelo método de análise de conteúdo segundo Bardin. Emergiram cinco diferentes concepções a respeito da integralidade: Humanizados, visão da humanização do atendimento em saúde; Profissionalizados, visão da ampliação da formação profissional do fisioterapeuta; Teorizados, visão dos princípios que orientam e organizam as ações do SUS; Limitantes, visão da limitação da atuação do fisioterapeuta na atenção básica a saúde e Hesitantes, visão da incerteza de estar preparado para atuar nos serviços públicos de saúde. O trabalho realizado revelou que as concepções dos sujeitos não são constituídas por uma única tendência, mas por um conjunto de tendências que nos levam a inferir que o conceito de integralidade mostra-se confuso, porém com uma forte tendência para uma concepção mais humanista na formação do fisioterapeuta, nesta instituição.
Palavras-Chave: Integralidade. Fisioterapia. Formação profissional. Educação em saúde, Atenção à saúde.
Doc. Download: BARBOSA, Michelle Cristina Sales Almeida. Concepções dos estagiários do curso de fisioterapia sobre o princípio da integralidade na saúde. 2013. 157 f. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Ensino em Saúde) – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina: 2013.
Título: A saúde coletiva na formação profissional em odontologia: percepção de acadêmicos
Autor: Patrícia Maria Lopes Rocha Corrêa
Orientador: Profª. Drª. Liliane da Consolação Campos Ribeiro
Co-orientador: Prof. Dr. João Luiz de Miranda
Aprovado em: 12/11/2013
Resumo: Este estudo teve como objetivo conhecer a percepção acadêmica do aluno de graduação em odontologia sobre a saúde coletiva, a sua formação profissional em saúde coletiva e a sua perspectiva em trabalhar no Sistema Único de Saúde (SUS). A metodologia utilizada foi a pesquisa qualitativa e exploratória. Os dados foram coletados nos meses de fevereiro a abril de 2013, por meio de entrevistas individuais semiestruturadas, gravadas, transcritas, submetidas à analise de conteúdo do tipo temática e discutidas à luz de alguns estudiosos do assunto. Contou com a colaboração de treze acadêmicos de graduação em odontologia de uma instituição pública de ensino dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Em relação à percepção sobre saúde coletiva, foi possível identificar três categorias: a saúde coletiva como atendimento à comunidade; a saúde coletiva como prevenção e a saúde coletiva como área interdisciplinar. Quanto à formação profissional, os acadêmicos ressaltaram a distância entre a teoria apresentada no curso e a prática no serviço público; bem como a estrutura curricular vigente, direcionando a formação para o consultório particular. Para alguns desses acadêmicos, trabalhar no SUS está associado a: oportunidade para adquirir experiência e necessidade financeira; compromisso com a saúde coletiva e articular o serviço público com o serviço privado. E, para outros, o SUS não se apresenta como campo profissional. A pesquisa revela a necessidade de oferecer uma formação em saúde coletiva estruturada a partir do cuidado coletivo com a saúde, para que o aluno possa conhecer e refletir o que é na atualidade a saúde coletiva e o SUS, bem como o caminho que se faz através de integração efetiva entre ensino-serviço, articulando políticas de educação e políticas de saúde, adequando os novos egressos às necessidades sociais da população.
Palavras-Chave: Saúde bucal; Saúde Bucal Coletiva; Educação em Saúde; Formação Profissional em Saúde.
Doc. Download: CORRÊA, Patrícia Maria Lopes Rocha. A saúde coletiva na formação profissional em odontologia: percepção de acadêmicos. 2013. 57 f. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Ensino em Saúde) – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina: 2013.
Título: Ações educativas de promoção da saúde relacionadas à atividade física nas unidades básicas de saúde do município de Diamantina-Minas Gerais
Autor: Paulo Henrique Vilela Oliveira de Sá
Orientador: Prof. Dr. Geraldo Cunha Cury
Aprovado em: 25/07/2013
Resumo: O presente trabalho teve como objetivo estudar o entendimento de profissionais e estudantes responsáveis por ações educativas de promoção da saúde relacionadas à atividade física para idosos, realizadas nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) da área urbana de Diamantina, Minas Gerais. Trata-se de um estudo quali-quantitativo do tipo transversal, realizado com 28 responsáveis por tais ações. Os dados foram coletados através de um instrumento de pesquisa fechado do tipo Likert, como uma primeira aproximação do objeto do estudo. Os dados foram analisados de forma descritiva e analítica pelo programa Epi Info versão 6.04 for Windows. Foram encontradas 11 ações educativas de promoção da saúde relacionadas à atividade física para idosos nas seis UBS estudadas. Cinco ações eram de responsabilidade dos professores e alunos da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e seis ações de responsabilidade dos profissionais do serviço de saúde. As ações observadas foram “grupo de caminhada e exercícios (alongamentos)”, “grupo de coluna” e “Qigong”. Dentre os responsáveis pelas ações, nove (32,1%) eram agentes comunitários de saúde (ACS), nove (32,1%) acadêmicos do curso de fisioterapia, cinco (17,9%) enfermeiros, dois (7,1%) técnicos de enfermagem, um (3,6%) fisioterapeuta do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF), um (3,6%) professor do curso de Fisioterapia e um (3,6%) professor do curso de Educação Física. Todos os participantes demonstraram seu entendimento sobre o conceito de atividade física, os benefícios dessas atividades para idosos, o impacto dessas ações na saúde pública e a necessidade de permanente capacitação ao responder as 28 questões do instrumento tipo Likert. Os responsáveis por ações educativas de promoção da saúde relacionadas à prática de atividade física para idosos percebem essas ações como uma importante ferramenta de gestão, educação em saúde e promoção da saúde. Entretanto, relatam necessidade de educação permanente para melhor operacionalização e desenvolvimento dos seus conhecimentos e habilidades.
Palavras-Chave: Envelhecimento. Educação em Saúde. Formação Profissional.  Atividade Física.
Doc. Download: SÁ, Paulo Henrique Vilela Oliveira de. Ações educativas de promoção da saúde relacionadas à atividade física nas unidades básicas de saúde do município de Diamantina-Minas Gerais. 2013. 49 f. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Ensino em Saúde) – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina: 2013.
Título: Vigilância epidemiológica na formação em enfermagem
Autor: Petrina Macedo Figueiredo
Orientador: Prof. Dr. Geraldo Cunha Cury
Aprovado em: 25/07/2013
Resumo: Foi realizada uma revisão integrativa no intuito de identificar, na literatura, a importância da Vigilância Epidemiológica – VE na formação acadêmica em Enfermagem. A pesquisa envolveu publicações nacionais e internacionais disponíveis na Biblioteca Virtual em Saúde. Os resultados detectam escassez de estudos sobre a temática, enfatizaram a importância da VE. Neste sentido, este trabalho objetiva estudar a importância da VE na formação acadêmica da enfermagem. Neste sentido, propõe-se um instrumento de estudo – Check-list – da formação profissional dos acadêmicos do curso de graduação em enfermagem em relação às ações de VE e promoção à saúde; já validado com modificações relacionadas à proposta sugerida. Espera-se com este instrumento, o apontamento das vulnerabilidades nessa formação, indicar as questões a serem esmeradas no serviço de saúde, bem como subsidiar ações para melhorias no Plano Pedagógico de Enfermagem.
Palavras-Chave: Educação em enfermagem, Vigilância epidemiológica, Enfermagem.
Doc. Download: FIGUEIREDO, Petrina Macedo. Vigilância epidemiológica na formação em enfermagem. 2013. 30 f. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Ensino em Saúde) – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina: 2013.
Título: Políticas sociais e intersetorialidade: subsídios para uma ampliação do debate
Autor: Ronan César Godoy da Costa
Orientador: Prof. Dr. Wederson Marcos Alves
Aprovado em: 11/10/2013
Resumo: Objetivou-se com este trabalho refletir sobre as políticas sociais no Brasil e as efetivas possibilidades de superação da prática setorial visando a construção da intersetorialidade, o que, após consolidado, pode promover o atendimento integral às demandas dos usuários dos serviços públicos de corte social. Trata-se de uma abordagem não muito usual nas produções científicas atuais sobre o tema, uma vez que o enfoque baseia-se na busca pela totalidade, rediscutindo as políticas sociais e a intersetorialidade e as várias determinações que incidem sobre elas ao mesmo tempo, ou seja, propõe-se aqui um tratamento analítico, observando o movimento histórico, político, cultural e econômico que as conformam. Trata-se de uma pesquisa de cunho bibliográfico, introduzida sob uma perspectiva crítico-dialética, onde se tornou possível construir um conhecimento sobre o tema proposto inserindo-o na discussão sobre as formas atuais de acumulação capitalista, a postura do Estado neoliberal e a correlação de forças por meio da luta de classes. Este recorte analítico da pesquisa proporcionou chegar à conclusão de que é preciso inverter os rumos da luta de classe, a qual, mesmo considerando os avanços conquistados pelos trabalhadores na esfera dos direitos civis, políticos e sociais ao longo da história, vem se estabelecendo sob o predomínio dos interesses burgueses. Tal embate entre as classes também envolve a estruturação de um sistema de proteção social de qualidade e universal, que atenda, de fato, às necessidades da sociedade na sua integralidade, pois, as reflexões realizadas, numa linha adversa, apontaram que o enfraquecimento das lutas políticas impetradas pela classe trabalhadora nos últimos anos acabou por estruturar políticas sociais focalizadas que impossibilitam a ação intersetorial.
Palavras-Chave: Política Social. Intersetorialidade. Neoliberalismo. Reestruturação produtiva. Luta de classes.
Doc. Download: COSTA, Ronan César Godoy da. Políticas sociais e intersetorialidade: subsídios para uma ampliação do debate. 2013. 42 f. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Ensino em Saúde) – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina: 2013.
Título: Avaliação acadêmica acerca das habilidades e competências gerais das Diretrizes Curriculares Nacionais de cursos de Graduação da Saúde
Autor: Viviane Antunes Rodrigues Soares
Orientador: Profª. Drª. Mirtes Ribeiro
Co-orientador: Profª. Drª. Liliane da Consolação Campos Ribeiro
Aprovado em: 30/07/2013
Resumo: Diante das significativas mudanças no cenário nacional para a concretização do SUS, as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) em saúde são concebidas como uma das estratégias para que as instituições formadoras subsidiem uma formação profissional condizente com a realidade e as necessidades de saúde da população.  Nesse contexto, a opinião acadêmica é essencial para compreendermos o entendimento dos estudantes quanto às habilidades e competências que esperam adquirir em sua formação básica em saúde, assim como também suas aplicabilidades no cenário atual de ensino. Esse estudo teve como objetivo identificar a opinião acadêmica acerca das competências e habilidades gerais definidas pelas DCN dos cursos de graduação da área da saúde da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). O desenho escolhido para delinear o presente estudo foi o transversal, sendo a população constituída por 135 acadêmicos do último período dos cursos de graduação da área da saúde da UFVJM (Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Nutrição e Odontologia) durante o segundo semestre do ano de 2012. No total foram recebidas 62 respostas, resultando em índice de retorno dos questionários de 45,92%. Após análise dos dados foi possível estabelecer o perfil dos acadêmicos que responderam os questionários, em que 48,38% (15) pertenciam ao curso de Enfermagem, 48,14% (15) de Farmácia, 48,14% (13) de Fisioterapia, 66,66% (8) de Nutrição e 34,21% (13) de Odontologia. Empatia foi a variável que, unanimemente, apresentou razoável grau de importância no processo de ensino pelos acadêmicos participantes. Identificou-se diferenças significativamente estatísticas entre os cursos apenas nas variáveis Liderança no trabalho em equipe multiprofissional e Liderança, dado p<0,004 e p<0,034, respectivamente. Em todos os cursos Atenção à Saúde e Tomada de decisões apresentaram os maiores índices tanto para o que se esperava ser ensinado quanto para o que foi ensinado. Destaca-se que as competências e habilidades gerais Administração e gerenciamento e Comunicação apresentaram predominantemente os piores índices na perspectiva do ensino nos cursos de graduação na área da saúde da UFVJM. Os resultados demonstrados nesse estudo evidenciaram a necessidade de refletirmos sobre o perfil da formação dos profissionais em saúde, tendo em vista as reais demandas e necessidades de saúde da população, em especial no que diz respeito os processos de gestão.
Palavras-Chave: Diretrizes curriculares. Currículo. Ensino em saúde.
Doc. Download: SOARES, Viviane Antunes Rodrigues. Avaliação acadêmica acerca das habilidades e competências gerais das Diretrizes Curriculares Nacionais de cursos de Graduação da Saúde. 2013. 39 f. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Ensino em Saúde) – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina: 2013.