Internacionalização

A discussão sobre a necessidade de internacionalização dos Programas de Pós-Graduação e da instituição UFVJM como um todo é recente.
É importante ressaltar que a internacionalização é uma das metas do Programa e está em seu planejamento, cujas discussões são fomentadas pelo órgão colegiado, considerando os principais aspectos abaixo relacionados:
– realização de projetos de pesquisa em parceria com pesquisadores e instituições de outros países;
– envio de uma maior número de estudantes de graduação e também de mestrado para intercâmbios em outros países;
– recebimento de estudantes estrangeiros para cursar, parte ou a totalidade, dos cursos de graduação e mestrado na UFVJM;
– treinamento de docentes do PPG como professores visitantes no exterior;
– recebimento de docentes estrangeiros para ministrar disciplinas e cursos no PPG;
– outras ações elaboradas e aprovadas pelo colegiado do PPG.

Em resposta a este planejamento, ações de internacionalização foram executadas por docentes do programa a partir do quadriênio passado, podendo-se destacar:
Por meio do incentivo à participação no programa Ciência sem Fronteiras do Governo federal, os discentes de iniciação científica concorreram ao processo sendo muitos aprovados para missão de estudos nos Estados Unidos, Colômbia, Austrália, Canadá, Holanda, Portugal e Espanha. Infelizmente, o corte de recursos nesse programa foi extremamente impactante e frustrante em nossos trabalhos de internacionalização institucional.

O PPG-CH tem total interesse em se envolver nesse processo de internacionalização. Todavia, nesse primeiro momento de formação do programa, optou-se por consolidar o corpo docente, aperfeiçoar as linhas de pesquisas, realizar as conclusões das primeiras defesas. Nos próximos anos o Programa estará se preparando para realizar ações mais efetivas envolvendo a internacionalização a partir dos afastamentos para capacitação em nível de pós-doutoramento dos seus docentes. Alguns docentes realizaram o pós doutoramento em diálogo direto com instituições do exterior, como foi o caso dos professores Rogério Pereira de Arruda e Ana Cristina Lage em Portugal, André Lopes Borges de Mattos na Inglaterra e Adna Cândido de Paula na França e Marcelo Fagundes no Peru. A médio e longo prazo, esses afastamentos visam a estabelecer parcerias com as instituições de acolhimento.
Em 2018, ocorreu a finalização do pós doutoramento dos professores Rogério Arruda, Ana Cristina Pereira Lage, Adna Cândido de Paula e André Matos ( em instituições da Inglaterra, Lisboa e França). Afastaram-se os docentes Marcelo Fagundes (Peru) e Marcos Cintra e Ricardo Sobreira (Lisboa). Estes dois últimos solicitaram a desvinculação do programa assim que retornaram das suas respectivas capacitações.
O professor Leonardo Lana de Carvalho faz parte do comitê científico da revista francesa “Intellectica”, periódico da Association pour la Recherche sur les sciences de la Cognition.
Em 2019 professoras argentinas participaram da disciplina da linha de Educação, Psicologia e Cultura (profas. Patrícia Scherman, Paulina Albert e Patrícia Farias da Universidad Nacional de Córdoba e Patrícia Rosa Ingui da Universidad Nacional de Litoral).
Cabe ainda ressaltar que o professor Gustavo Henrique Ruckert é vice presidente da AFROLIC (Associação Internacional de Estudos Literários e Culturais Africanos) – 2019-2022.
Estes são os nossos primeiros movimentos até este momento para o desenvolvimento da internacionalização do nosso programa. Sabemos da importância deste movimento e acreditamos que deva fazer parte da missão e dos objetivos dos programas.